Anvisa proíbe venda de lote de extrato de tomate com pelo de roedor

FONTE: G1

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a distrição e venda em todo o país de um lote de extrato de tomate da marca Heinz, porque foi encontrado pelo de roedor em amostras do produto. A medida prevê que a empresa também terá de recolher o extrato contaminado do estoque que estiver à venda no no mercado.

De acordo com a Heinz, trata-se de um caso de julho de 2015 e que, na ocasião, todos os produtos foram recolhidos, “não havendo qualquer contraindicação ao consumo dos lotes presentes nos mercados hoje”.

De acordo com resolução publicada no “Diário Oficial da União” desta segunda-feira (18), um laudo emitido pela Fundação Ezequiel Dias, de Minas Gerais, detectou “matéria estranha indicativa de risco à saúde humana” acima do limite máximo de tolerância pela legislação.

O lote de que trata a resolução é o L06, com validade até 01/04/2017. O produto é fabricado pela Heinz Brasil S.A, localizada em Nerópolis (GO).

Ketchup
Em 2013, a Anvisa determinou a interdição de um lote de ketchup da Heinz com base em laudos que também apontaram a presença de pelos de roedores no produto.

Veja a nota da Heinz na íntegra:
“A Kraft Heinz Brasil informa que o caso se trata de notificação realizada em julho de 2015 pela Gerência Colegiada da Superintendência de Vigilância Sanitária de Minas Gerais, acerca de lote encontrado somente nessa região. Na ocasião a empresa recolheu as embalagens disponíveis no comércio do lote 06, validade 4/2017, de extrato de tomate da marca, não havendo qualquer contraindicação ao consumo dos lotes presentes nos mercados hoje. Em 14 junho deste ano, o processo foi dado como encerrado pela ANVISA, com a publicação no Diário Oficial da União.

A companhia declara que adota rigoroso controle de qualidade em todas as etapas da produção, desde a escolha de fornecedores, processo produtivo e distribuição final dos seus produtos. Internamente ainda possui diversos mecanismos que avaliam de forma constante suas boas práticas de fabricação dentro de um Sistema de Gestão da Qualidade próprio. A Kraft Heinz Brasil reafirma seu total respeito, transparência e compromisso com o consumidor, com o foco constante na máxima qualidade de seus produtos, comprovada e reconhecida em todo o mundo.

Procon Estadual autua nove estabelecimentos na Zona Oeste e Centro do Rio

Fonte: PROCON-RJ

Fiscais do Procon Estadual realizam nesta sexta-feira(15/07) a primeira etapa da Operação Mutley, que visa os jogos olímpicos que serão sediados na cidade do Rio. Os fiscais estiveram em restaurantes, bares e lanchonetes da Zona Portuária e da Zona Oeste, que foram denunciados pelos consumidores. De 11 locais vistoriados, nove foram autuados. Foram descartados cerca de 141kg de alimentos impróprios ao consumo.
Dos alimentos descartados, 125kg foram encontrados nas duas filiais vistoriadas do restaurante Jiló na Manteiga. Somente na filial localizada na Rua Professora Francisca Piragibe, 40, na Taquara, os fiscais descartaram mais de 80kg de produtos impróprios ao consumo. Entre os alimentos com problemas, foram encontrados sem especificação da data de validade: camarão cinza,carne seca, lula, kibe e chantilly. Havia peixe dourado com embalagem violada, além de salmão e pepino vencidos. Os fiscais descobriram carnefora da embalagemimersa em água para descongelamento e molho armazenado de forma incorreta, fora da especificação do fabricante. As lixeiras da cozinha não possuíam acionamento por pedal. O certificado de potabilidade da água estava vencido desde maio,por isso a fiscalziação exigiu a limpeza imediata dos reservatórios de água. O certificado do Corpo de Bombeiros não foi apresentado.

Já a filial do Jiló da Manteiga localizada na Estrada Macembu, 1571, também na Taquara, 45 kg de alimentos foram descartados. Entre eles havia camarão, apara de carne bovinaechantilly. A mandioca estava sem especificação e armazenada em água com sujeira. A limpeza do reservatório de água e a dedetização do local foram exigidos, pois não foi apresentado o Certificado de potabilidade da água e o Certificado de dedetização estava vencido. O Certificado do Corpo de Bombeiros indicava apenas a aprovação de construção de um pavimento, mas o estabelecimento possui dois. Os fiscais exigiram que seja apresentado em até dois dias úteis um certificado adequado ao espaço utilizado.

Não foram encontradas irregularidades nos seguintes locais: Espetto Carioca (Maravilha Grill), na Rua Rodrigues Alves, 10, Centro); e Rubro Café, na Rua da Quitanda,191, Centro.

O nome da operação é uma referência ao cachorro Mutley, animal de estimação doDick Vigarista,bandido dos desenhos animados, que é conhecido por sua risada característica e sua obsessão em ganhar medalhas.

Balanço da Operação Mutley

1 – Jiló na Manteiga (Rua Professora Francisca Piragibe, 40 – Taquara):Sem especificação: 17kg e 150g de camarão cinza;1kg de carne seca; 2kg e 800g de Lula; 3kg e 300g de kibe; 2litros e 500ml de chantilly. Embalagem violada: 4kg e 100g de filé de dourado e 8kg e 700g de posta de dourado. Vencido: 8kg de salmão; 1kg e 600g de pepino. Produtos totalmente imersos em água para descongelamento, fora da embalagem: 17kg e 900g de cupim.Molho armazenado fora da especificação do fabricante: 5 Litros de molho. As lixeiras da cozinha encontram-se sem pedal. Certificado de potabilidade da água vencido em maio/2016. Determina-se a limpeza imediata dos reservatórios de água sob pena de interdição. Ausência do certificado do Corpo de Bombeiros.

2 – Bohemios do Juca (Rua do Acre, 32): Produtos mal armazenados em desconformidade com o que orienta o fabricante: 1kg e 100g de alcaparras; produtos sem especificação quanto a fabricação, manuseio e validade; 715 g de queijo prato; 3kg e 700g de pedaços de carnes; encontradas duas lixeiras na cozinha e uma no bar, sem tampa e sem acionamento por pedal. Determinada a limpeza imediata da cozinha sob pena de interdição da mesma. Ausência do certificado do Corpo de Bombeiros. desratização vencida em 11/05/16. Prazo de 24 hs para serviço sob pena de interdição do estabelecimento. Ausência do laudo de potabilidade da água. Ausência do livro de reclamação. Ausência do cartaz da gratuidade de água potável e filtrada. Bebidas no bar em contato direto no chão.

3 – Central Kilo (Rua do Acre, 58): Produtos encontrados sem etiqueta de abertura e validade: 610g de queijo coalho; 1kg e 80g de queijo minas; 470 g de palmito; 450 g de molho rose; 490 g de queijo parmesão ralado; 1kg e 190g de presunto. Ausências de certificado do Corpo de Bombeiros e certificado de potabilidade da agua.

4 – Jiló na Manteiga (Estrada Macembu, 1571 – Taquara): Sem especificação: 16kg de camarão8kg e 600g de apara de carne bovina;6 litros de chantilly; 14kg e 400g de mandioca sem especificação armazenada em água com sujeira. Ausência de Certificado de potabilidade da água. Determinada a limpeza imediata, sob pena de interdição. Certificado de dedetização vencido. Determinada a dedetização imediata, sob pena de interdição. Certificado do Corpo de Bombeiros indicando a aprovação de apenas um pavimento, sendo que o estabelecimento possui dois pavimentos.

5 – Mega Matte(Av. Rio Branco, 4 – loja b – Centro): Ausência de preços nos produtos expostos a venda e sem informação sobre data de validade, produção ou fracionamento: Croissant de frango, folhado de peru com queijo, pastel integral.Ausência de cartaz informando que o estabelecimento fornece água filtrada aos consumidores.Foi constatado buraco no teto entre a cozinha e o estoque.Ausência do certificado de Corpo de Bombeiros.Foi constatado que o funcionário do caixa servia os consumidores na entrega de salgados, sem proteção das mãos.

6 – Bar e Restaurante Porto Madeira(Rua do Acre, 70): Produtos sem etiquetas quanto a manuseio e validade:1 kg de frango; 1 kg de sardinha e 1 kg de carne. Duas lixeiras sem tampa na cozinha e sem acionamento por pedal. Ausência de certificado de potabilidade da água, certificado de dedetização e cartaz da gratuidade de água potável e filtrada. Determinada imediata limpeza da caixa d’água. O Livro de Reclamações não estava autenticado.

7 – Rei do Mate (Rua Beneditinos, 10 loja E): Ausência do certificado do Corpo de Bombeiros. Cinco fatias de bolo sem informação de fabricação e validade.

8 – Mega Matte(Rua da Quitanda, 184 – Centro):No ato da fiscalização foi constatado não entrega do cupom fiscal.Havia2kg e 500g de croissant integral de chocolate, sem especificação.Ausência de potabilidade da água, prazo de 15 dias para entrega no Procon.

9 – Casa do Pão de Queijo (Rua da Quitanda, 194 lj b): Ausência do Certificado do Corpo de Bombeiros, potabilidade da água e alvará de funcionamento. Prazo de 15 dias para apresentar. Na geladeira produtos sem especificação: 300g de doce de leite e 500g de requeijão cremoso.

Gerente de Prezunic é detido em fiscalização do Procon Estadual e da Decon

Fonte: PROCON

Fiscais do Procon Estadual, em conjunto com a Delegacia do Consumidor (Decon), fiscalizaram nesta terça-feira (06/07) a filial do Prezunic localizada na Estrada dos Bandeirantes, 105, na Taquara. Eles descartaram cerca de 150kg de produtos impróprios para o consumo – estavam vencidos, sem especificação de validade ou armazenados de forma irregular. O gerente do supermercado foi encaminhado à Decon para prestar esclarecimentos.
Na área de preparo, entre os produtos encontrados que estavam além do prazo de validade, havia sete caixas de 400g de carne em tiras vencidas em 22/06, 11 pizzas de 460g vencidas em 03/07 e cinco embalagens de 350g de massa de grano duro vencidas em 05/07. Na área de vendas, havia 1kg e 612g de alcatra vencida em 05/07.

Outros produtos foram descartados por não estavrem armazenados na temperatura indicada pelo fabricante e foram considerados impróprios para o consumo. Entre eles havia 20 embalagens de 500g de carne moída, sete embalagens de frango de 350g – sendo uma embalagem avariada – e 12 embalagens 350g de massa de grano duro.

Entre os produtos sem especificação de seu prazo de vencimento, havia 32kg de amêndoa importada com casca, 29kg de avelã sem casca, 9kg de avelã com casca e 55 kg de costela bovina. A fiscalização também constatou a ausência de preços em alguns produtos, como requeijão e iogurte.